17/01/2010

(PPR) - PLANO POUPANÇA ROBALOS


LEMBRETE 472

Vara é conjunto de porcos;
PS grupo de VARAS...
Estes recusam os trocos
- Só aceitam luvas caras!...



LEMBRETE 473

Este "(as)salto à Vara",
Com um trampolim na Banca,
É modalidade cara,
Mas com uma expansão franca!...



LEMBRETE 474

A Banca com JOÃO RENDEIRO,
Mais o OLIVEIRA E COSTA,
Contando com DIAS LOUREIRO,
Com VARA fica composta!...



LEMBRETE 476

Aí está o "risco sistémico"
A desmentir a política...
Face ao desfalque endémico
E à impunidade típica!...



LEMBRETE 477

O BPP fez batota;
BCP batota fez;
BPN sumiu com a "nota"!...
- Foi-se a confiança de vez!...

@Pulseira Electrónica
Fernando Marques

11/01/2010

NÃO SERÁ TANTO, MAS SE FOR...

João Salgueiro, ex-ministro das Finanças deste País, disse, há dias, que Portugal podia estar a caminhar para uma situação igual à que se vive na Grécia, caso o governo e o Orçamento de Estado para 2010 não venha a ter rigor suficiente para agradar às empresas de rating que, segundo ele, podem vir a pôr Portugal em maus “lençóis” perante as empresas financiadoras e a comunidade internacional.
Tudo bem, João Salgueiro sabe do que fala. Isto em relação à economia e finanças em que nós, portugueses, estamos “enrolados”. Pois, como todos sabemos, ele fez parte das estruturas que nos vêm arruinando ao longo dos anos.
Isto só para dizer que estou de acordo com ele, neste aspecto, é evidente…
Já quanto às semelhanças gregas, João Salgueiro não podia estar mais enganado. O povo que tem sido roubado “ao longo dos anos”, embora haja quem não queira ver, sabe que os carros que têm as ruas como estacionamento não pertencem a quem tem levado Portugal à situação actual nem tem beneficiado do que ele, João Salgueiro e muitos outros, beneficiaram. Por isso, para que não haja confusão, os portugueses até aqui enganados, sabem muito bem como agir. «Não será nada», penso eu. Mas se for, até porque há motivos de sobra para que venha ser, os delapidados, como sabem quem os delapidou, nunca irão, tal como na Grécia, queimar os carros dos pobres que só têm a rua como garagem. Os portugueses saberão, tenho a certeza, com quem ajustar contas. Não será com os pobres que já nada têm. Aqui, o caso grego, só serve como experiência: «estragar a quem estragou e roubar a quem roubou», nunca aos inocentes.
Não venham agora “botar” lágrimas de crocodilo, porque já todos sabemos quem nos enganou e quer continuar a enganar.

David Santos