29/03/2010

O QUE PRETENDE DE UM POLÍCIA?

O Texto, não foi escrito por mim, mas desconheço também o seu autor. Foi-me enviado por um amigo, agente do CI da PSP, e por achar que na sua maioria traduz a verdade, ou seja, é por essa via que temos de ver as coisas, senão é a anarquia total, publico para dar conhecimento aos demais.

É Importante que os cidadãos tomem conhecimento de como são tratados estes profissionais. A toda e qualquer hora, seja de dia ou de noite, estão sempre prontos a atender as vossas chamadas. Os polícias doam diariamente o seu sangue e as suas vidas em defesa dos cidadãos a quem servem sem esperar uma palavra de gratidão. Muito bem Sr. cidadão, eu creio que o Sr. já me "rotulou"!

Acredito que me enquadro perfeitamente na categoria em que o senhor me colocou. Eu sou estereotipado, padronizado, marcado, corporativista e não sou humano. Infelizmente, o oposto é verdade, mas não vou rotula-lo. Mas, desde que nascem, os seus filhos ouvem dizer mal de mim, e depois o Sr. lamenta e chora quando eles se identificam com os meus inimigos "Os criminosos".

O Sr. acusa-me de maltratar os criminosos, até que eu apanhe um que tenha feito mal aos seus.

O Sr. é capaz de gastar uma hora para almoçar e, por dia, interromper várias vezes o seu trabalho para tomar café, mas critica-me se eu paro para tomar um.

O Sr. gosta de fazer as suas refeições sem ser incomodado, mas não hesita em interromper as minhas com os seus problemas.

O Sr. fica fulo quando fica "preso" no trânsito, mas se eu autuo um condutor, estarei a persegui-lo, ando à "caça" da multa, em vez de se regozijar e dizer que ando a fazer o meu trabalho para evitar males maiores, procurando os prevaricadores e os "Fora da lei".

O Sr. conhece as leis de trânsito, mas continua a infringi-las.

O Sr. acha que prevarico se conduzo mais rápido para ir a uma ocorrência, mas fica irritado se eu demoro para ir a uma chamada sua.

Se sou ferido ou morto, o Sr. acha que faz parte do meu trabalho, mas se me defendo de algum criminoso, o Sr. diz logo que houve violência policial e excesso de zelo.

O Sr. não diz ao dentista como arrancar um dente, ou ao médico como operar, mas está sempre a dizer como devo aplicar a lei.

O Sr. quer quer eu o livre dos que o perturbam a sua vida, mas não quer que ninguém saiba disso.

O Sr. protesta que a polícia nada faz para combater o crime, mas fica furioso se é envolvido num processo.

O Sr. não vê utilidade na minha profissão, mas certamente ela se tornará valiosa se eu nudar o pneu furado do carro de sua esposa ou filha, ou levar o seu filho no banco de trás do carro patrulha, se este se encontrar perdido, ou talvez salvar-lhe a vida (com suporte básico de vida, respiração boca-a-boca, ou ainda ter de trabalhar horas extras sem fim para encontrar a sua filha que desapareceu.

Assim, caro cidadão, o senhor pode dizer impropérios e enfurecer-se pela forma como exerço o meu trabalho, chamando-me todos os nomes possíveis, mas nunca se esqueça que os seus bens, a sua família e até mesmo a sua vida, dependem de mim e dos meus colegas.
SIM, SENHOR CIDADÃO, EU SOU UM POLICIA!

Saudações policiais

“Um genuíno Polícia nunca se aposenta, abranda o ritmo”


Nota: Acrescento ainda que, há maus profissionais em todas as áreas, em todo lado e em todo o mundo, não temos o direito de estereotipar, generalizar toda uma classe, cada vez mais por sua conta e risco.

@Fernando Marques
Pulseira Electrónica

25/03/2010

Falar, Falar, Bojardar!

Mais um no consagrado estilo de ignorante snobe que não tendo aprendido português na escola, fala com os seus conterrâneos misturando termos noutra língua, os quais nem sabe sequer pronunciar. Não é o único. Há muito que nos corredores de Bruxelas e de Estrasburgo, os abortos dos políticos portugueses são criticados e objecto de risada por pretenderem falar em inglês com a pronúncia sabuja Norte-Americana. Na Europa, quando se fala inglês faz-se com a pronúncia correcta de Inglaterra, apátria da língua. Também os jornaleiros desinformadores, trouxas e ignorantes fazem idêntico, notando-se sobretudo como pronunciam todos os As como se fossem Es, sem a mínima noção da pronúncia correcta. Se não é estupidez de peneiroso ignorante, que mais poderá ser?

Transcreve-se aqui o texto dum e-mail proveniente dum correspondente muito adequado ao caso, contendo este clip de vídeo.

video

Vale a pena ver este parolo monhé a usar termos amarikanos!!!

A "nossa
Portugalidade" levada ao extremo pelo zeloso, certamente regiamente pago, gestor da PT.

Este "excelente" gestor consegue mostrar até à exaustão como se pode ser um produto acabado do "
Receituário" de Peter Pan. Como os incompetentes podem assumir um "ar" de grande competência apenas utilizando palavras complicadas ou adjectivos ligados entre sim SEM qualquer sentido.

E o que é muito grave, foi verificar que na audiência houve quem tirasse apontamentos!!!!!!!!!

A incompetência estava, afinal, nos dois lados ....

É este o príncipe dos gestores públicos!

Com gente desta craveira vamos de certeza sair da crise!


Autor: Arq. António Castelo Branco

16/03/2010

Circo Montado no Parlamento

Parasitas, na sua maioria advogados falhados, estão a perder tempo e a envergonhar os parvalhões que neles votaram. A barraca armada não pode passar dum pretexto para dar às sanguessugas mais uma oportunidade de roubarem os contribuintes num número de circo em que nem palhaços acreditam.

Com efeito, quem poderá imaginar que esta palhaçada de sórdidos possa alguma vez chegar a alguma conclusão sustentável? Não se apoia em qualquer investigação. Não encena um único confronto directo. Cada um defende a sua patranha, é palavra contra palavra sem nada se poder provar desta forma. Não se pode esperar que qualquer deles venha a admitir o que quer que seja em favor dos seus opositores. Que anedota!

As sanguessugas não têm qualquer formação de juízes, são incompetentes em todos os campos relativos, inclusivamente o da justiça, visto que, como acima mencionado, são quase todos advogados falhados. Só podem ser verídicas sanguessugas que montam o circo para nos roubarem impunemente.

Esta montanha de estrume não vai parir nenhum rato, nem tampouco uma pulga de rato. É um parto falso. Uma demonstração da desgraça nacional. Votem neles, que eles prometem continuar a roubar, a espalhar a miséria e aprofundar a fossa entre ricos e pobres. Nisso são exímios e têm trabalho feito a apoiá-los. Que democracia!

Veja-se este outro artigo sobre o assunto.

Outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).

15/03/2010

CARTA ABERTA AO PRESIDENTE OBAMA.


O Realizador Norte-americano Michael Moore, no seu tom irónico, escreveu ao presidente Obama, no seu estilo de sempre, frontal e verdadeiro. Está criada a confusão na casa branca, Obama não poderá adiar mais as decisões que o povo americano necessita, e o mundo em geral.

Caro Presidente Obama,

Tive conhecimento de que pretende substituir o seu chefe de gabinete, Rahm Emanuel.

Gostaria de me propor como o seu humilde substituto.

Irei para Washington DC para limpar a confusão que está à sua volta. Trabalharei por um dólar por ano. Ajudarei os democratas no Congresso a encontrar o seu carácter e a esmagar os republicanos de forma não-violenta.

E ajudá-lo-ei a realizar aquilo que o povo americano quis que realizasse. Não preciso de muito, um divã numa cave da Casa Branca é suficiente.

Vá, não fique exorbitante com a minha proposta porque vamos acordar os dois às 5h da manhã, sete dias por semana e vou prepará-lo para a batalha todos os dias. Todas as manhãs, você e eu vamos fazer cem flexões e vai repetir o que eu digo:

"O povo americano elegeu-me para governar o país, não os republicanos! Sou eu que mando! Vou afastar os obstrucionistas do meu caminho! Se o povo americano não gostar daquilo que estou a fazer, podem mandar-me embora em 2012. Entretanto, eu é que decido! Agora, Congresso, deite-se no chão e faça 50 flexões!"

Depois, vestimos os fatos-de-treino e vamos a correr ao Congresso. Fazemos identificações, damos pontapés e depois recolhemos mais nomes. Se for preciso dar uns cachaços ou usar uma chave-inglesa, que seja! Nos nossos bolsos teremos um papel para mostrar às florzinhas dos democratas por quanto é que eles ganharam em 2008 - e os resultados das sondagens que mostram que a maioria dos americanos se opõem às guerras no Afeganistão e no Iraque e querem que os banqueiros sejam punidos. Como sargentos da tropa, vamos chegar ao pé deles e perguntar-lhes cara a cara: "Que parte da opção pública [do sistema de saúde] é que não entendeu, soldado?!!! No chão, quero 50 flexões, já!!"

Bem sei que este era o trabalho que Rahm Emanuel deveria estar a fazer.

Não me interprete mal. Eu sempre admirei Rahm Emanuel (se não contar o facto de ele ter pressionado a favor da NAFTA durante os anos 90, o que acabou por destruir Flint no Estado do Michigan. Eu sei, implico muito.) Ele era o que nós precisávamos - uma máquina de luta que não pede desculpa nem deixa sobreviventes. Alguém que não tem medo de sujar as mãos e pôr a direita no lugar. Longe de ser a pessoa mal-educada que tem sido retratada, Rahm é alguém que pode desancar os arruaceiros e proteger-nos deles.

Foi certamente isso que ele fez em 2006. Depois de seis longos e miseráveis anos em que a classe média foi massacrada e os pobres ignorados, Rahm Emanuel levou até ao fim a tarefa de devolver o Congresso aos democratas. Ninguém acreditava que era possível.

Mas ele conseguiu. Aterrorizou o partido de Rush (Limbaugh) e de Newt (Gingrich). Nunca tiveram tanto medo. Mas mais importante ainda foi ter conseguido incutir alguma esperança aos democratas de que poderiam fazer a melhor jogada de sempre em 2008 - consigo, nada menos que afro-americano, na pole position!

Resultou. As trevas terminaram. A grande maioria da nação chorou de felicidade na noite da eleição (aqueles que não choraram foram à rua comprar uma quantidade absurda de armas e munições). Ao contrário do outro presidente, você não "ganhou" por 537 votos na Florida (apesar de Gore ter ganho o voto popular por meio milhão), você derrotou McCain a nível nacional, por 9.522.083 votos! Os democratas da Câmara dos Representantes conseguiram uma margem enorme de 79 votos. Os democratas do Senado venceram o caucus que lhe deu a super-maioria de 60 votos, o que é inaudito desde há mais de 30 anos. As guerras iam agora acabar. A América iria ter cuidados de saúde universais, Wall Street e os bancos iam, no mínimo, ser denunciados. Os trabalhadores não seria expulsos das suas casas. Supostamente, seria o começo de uma nova era.

Mas os Republicanos não iriam desistir facilmente. Sabe, em vez de terem apenas um Rahm Emanuel, eles são todos Rahm Emanuels. É por isso que geralmente ganham. Ao contrário da maioria dos democratas, eles são resistentes e imparáveis. Quando acreditam em alguma coisa (que é normalmente neles próprios e no emprego de topo com que esperam ser um dia recompensados), lutam por isso até à morte. Metem mãos à obra não importa o quê. Se exilássemos um deles para os gelos polares que estão a derreter, ainda assim diriam que é apenas um pequeno "degelo de Janeiro", mesmo que as águas do Árctico subam acima do raio dos seus pescoços ("Vêem o que eu digo - esta água está FRIA! Que 'aquecimento' global?! Adão e Eva montavam dinossauros... aagghh!!... gulp gulp gulp").

Pensava que tínhamos acabado com estas maluquices, mas estávamos enganados. Como um monstro que não se pode enjaular, os republicanos convenceram, não apenas os média, mas você e os democratas de que 59 votos é uma 'minoria'! Gastou-se tempo precioso a tentar chegar a um "consenso" e a tentar ser "bipartidário".

Bom, você e os democratas já estão no comando há mais de um ano e nenhuma regulação do sector bancário entrou em vigor. Não temos cuidados de saúde universais. A guerra no Afeganistão intensificou-se. E dezenas de milhar de americanos continuam a perder os seus empregos e a serem expulsos de suas casas. Para a maioria de nós, não é suficiente que Bush tenha ido embora. Iupiii! Bush foi embora! Hurra! Isso não criou um único emprego.

Você é tão boa pessoa, sr. Presidente. Você veio para Washington com a mão estendida aos republicanos e eles recusaram-na. Você quis ser respeitoso e eles decidiram que iriam dizer 'não' a tudo o que sugerisse. Todavia, continua a dizer que acredita na bipartidarização.

Bom, se você quer bipartidarização, continue e deixe os republicanos ganhar em Novembro. Depois vai ter toda a bipartidarização que quer.

Deixe-me ser claro numa coisa: os democratas no dia da eleição de 2010 vão levar uma abada de proporções bíblicas se as coisas não mudarem agora. Depois da nova maioria republicana assumir o poder, eles, tal como os democratas conservadores do Congresso, conseguirão a sua destituição de forma bipartidarizada por ser um socialista e um cidadão do Quénia. Que bom que é ver os dois lados a trabalharem juntos outra vez!

E a pequena oportunidade que tivemos de consertar este país desapareceu.

Desapareceu.

Desapareceu, querida, desapareceu.

Não sei o que é que a sua equipa anda a fazer, mas eles não estão a fazer um bom trabalho. E Rahm, pobre Rahm, tornou-se num lutador - não contra os republicanos mas contra a esquerda. Chamou a todos aqueles que querem um sistema de saúde universal, "idiotas de m****." Olhe, eu não sei se o problema de Rahm é Gibbs ou Alexrod ou qualquer outro a quem devemos muito por terem conseguido que fosse eleito. Só sei que aquilo que dá gás à sua Casa Branca está a acabar. É tempo de mudar as coisas! Tempo de prepará-lo para a batalha! Vamos, Barack! Hurra, Barack! Luta, Equipa, Luta!

Tenho as malas feitas e estou pronto para ir para DC amanhã. Se ajudar, não perderá inteiramente Rahm porque eu vou levar o irmão dele comigo - o meu agente, Ari Emanuel. Pá, devia vê-lo a negociar um acordo! Já alguma vez quis ver Mitch McConnell andar pelo Capitólio levando nas mãos a sua própria cabeça depois de ter sido entregue ao infame Ari? Ai amigo, não vai ser bonito - mas vai saber bem!

Então, como é, Barack? Tu e eu contra o mundo? Sim, podemos! Vai ser divertido - e talvez consigamos fazer alguma coisa. Que é que tens a perder? Esperança?

Idiotamente teu,

Michael Moore

MMFlint@aol.com

MichaelMoore.com

P.S.: Só para te dar um ideia do novo estilo que levo comigo, quando um palhaço como o senador Ben Nelson tentar empatar-te outra vez, isto é o que lhe vamos dizer para conseguir o seu voto:

"Tens exactamente três segundos para deixares o teu mandato ou eu assegurar-me-ei de que o Nebraska não receberá um único dólar federal durante o resto da presidência de Obama. E direi a toda a gente no teu Estado que tu usas cuecas fio-dental de trás para a frente. Agora no chão e faz 50 flexões!

06 de Março de 2010



Fonte: esquerda.net

06/03/2010

PARECE ANEDOTA, MAS NÃO É...

video

AO QUE ISTO CHEGOU... Qualquer país democrático e vivendo num estado de direito, repudia este tipo de "show off", das declarações dum gajo pago a peso de ouro, pelos contribuintes deste quintal, que ainda goza com as comissões "Ad-hoc", em que ninguém levanta uma palha a não ser o presidente da mesa quando após várias declarações minimamente estranhas sobre o seu gosto ou afiliação clubista deste senhor... Não há pachorra...

E é isto um administrador de uma das maiores empresas nacionais?
Como fica desempregado, deve ir para a A.R. ou para o governo!

@Fernando Marques
Pulseira Electrónica

04/03/2010

Liberdade de Expressão ou Ordinarice?

Ontem, vimos a Manuela Moura Guedes chegar à comissão de investigação parlamentar sobre o «caso Sócrates» na sua fiel expressão de prostituta e com vestimenta a condizer. Talvez não o seja, mas a imitação é perfeita, até quando se esforça em fingir cara de santa.

Dum modo completamente alheio ao Sócrates ser ou não culpado de tudo ou de pouco do que o acusam, verdade ou mentira, e ainda que seja muito mais do que o acusam, há considerações a fazer que a jornaleirada tem óbvia e interesseiramente escamoteado. Afinal, como de seu costume, na sua maioria não passam do bando de desinformadores, classificação que adquiriram devido ao seu profisionalismo e cumprimento do dever. Não esquecer que se os portugueses são um povo desinformado e ignorante a eles o devem principalmente.

Não se confunda a ética jornalística com a culpabilidade ou não de quem quer que seja de quem ela escarneça e achincalhe ordinariamente, como de evidência é de seu carácter. O jornalismo está sujeito às mesmas regras de princípios e deveres democráticos que qualquer um ou qualquer profissão sem excepção. Um desses mais importantes princípios e o mais desprezado em Portugal é precisamente o dos deveres, pois que sem que ele seja cumprido não pode existir democracia. Vê-se que Portugal não pode ser uma democracia por raros o cumprirem, a começar pelos políticos corruptos na sua roubalheira e abuso, admitidos por uma população que os tolera precisamente por falta de civismo geral e de cultura democrática.

A Manuela MG é e sempre foi uma má profissional e uma ordinária. Não é novidade, que já os seus antigos chefes o diziam. A liberdade de expressão não inclui liberdade de se ser ordinário. Para quem pense que democracia é liberdade total para toda e qualquer barbaridade, não pretenda ignorar que a Inglaterra, a mais antiga democracia dos tempos modernos jamais permitiria tal pseudo liberdade de expresssão. Esse comportamento só pode agradar a quem com com a Manuela partilhe as mesmas qualidades ou semelhantes. Facto aliás bem justificado pela ampla audição do seu ex-noticiário e pela falta de civismo, de cultura (incluindo a democrática) e de qualidades morais dos portugueses de hoje em geral. Outro exemplo recente e conhecido de que se deixam levar em histórias falsas (mentecaptos) é o da grande popularidade da ministra da saúde com as suas patranhas sobre a gripe dos porcos. Quanto mais mentem e mais falsidades contam, mais os mentecaptos neles acreditam.

Todos sabemos que a SIC é independente e sob a égide de um militante do defunto PPD, mas que é um homem digno e que a sua estação sempre apresentou as mesmas notícias civilizada e educadamente, sem abusos, coisa que a MMG era incapaz devido à sua ordinarice visceral. De notar ainda que a TVI nem tinha um conselho de redacção como previsto pelo regulamento.

Os seus pares do defunto programa Clube de Jornalistas, na RTP2, convidaram-na a elucidar o caso, mas ela recusou-se a aparecer. Ela era livre de não querer ir, mas nós também o somos para deduzir o porquê.

Não foi a primeira vez. Já anteriormente, ela e o José Moniz se recusaram a comparecer a um debate sobre um outro caso de ética específica por a estação violar regras de informação, em 23 de Novembro de 2000, convocado pelo Conselho de Deontologia do Sindicato de Jornalistas. Porquê? Sempre os mesmos? Esse debate com mais de 150 pessoas e sob a égide do presidente da Direcção do Sindicato dos Jornalistas(SJ), Alfredo Maia, condenou a ética da TVI.

Em 7-10-2009 iniciou-se o julgamento de 20 jornalistas por, em Oeiras, por violação do segredo de justiça. Note-se que o segredo de justiça fora da investigação é uma aberração defendido pela corrupção e para esconder a incompetência e erros dos tribunais, mas lá estavam os mesmos dois no banco dos réus.

Com tantos casos a virem à superfície, deve imaginar-se o tamanho do iceberg. Todavia a jornaleirada ignóbila, encobre desonestamente, como é seu uso e costume.

Como o director do Jornal de Notícias afirmou recentemente na mesma comissão parlamentar sobre o assunto, de algum modo se deve dar ouvidos e considerar o comunicado da posição do Conselho de Ética do Sindicato de Jornalistas face ao seu Jornal da 6ª feira, que a condenou. Por motivos semelhantes disse, ele não publicou uma historieta do Mário Crespo por, segundo ele, se tratar de coscuvilhice sem apoio de investigação jornalística.

O director também revelou que Rui Rio, o pulha que quer matar os pobres da sua cidade – a deduzir pelas suas afirmações durante as últimas eleições, que provocaram alguma revolta e tentativas de agressão pela parte dos lesados –, por três vezes tinha tentado remover a direcção do jornal por não apreciar as verdades que este publicava a seu respeito, ainda que num estilo que em nada se poderia relacionar com o da Manuela. Ao facto não foi dada a mínima importância nem suscitou qualquer reacção. Dois casos duas medidas, o que condiz perfeitamente com a mentalidade nacional.


Vejam-se alguns factos sobre o assunto, os quais, mesmo que poucos, se revelam de valor pelo seu fundamento.

http://dn.sapo.pt/especiais/interior.aspx?content_id=1247443&especial=Manuela%20Moura%20Guedes&seccao=TV%20e%20MEDIA

http://chaparralblog.wordpress.com/2009/05/24/marinho-pinto-ataca-manuela-moura-guedes-no-jornal-nacional-da-tvi/

http://www.joaocustodio.net/2008/11/que-alguem-lhe-de-um-codigo-deontologico-rapido/

http://www.publico.pt/Sociedade/conselho-deontologico-considera-reprovavel-desempenho-de-manuela-moura-guedes-no-jornal-nacional_1383911

http://www.oribatejo.pt/2009/09/tvi-a-minha-leitura/

E a não esquecer mais este documento acima mencionado:
www.jornalistas.eu/getfile.asp?tb=FICHEIROS&id=493

Outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).

03/03/2010

Podridão dos Políticos e dos Partidos = Podridão do Regime

Leis feitas por corruptos para se protegerem e poderem praticar todos os crimes impunemente. Desigualdade dos cidadãos perante a justiça. Não precisamos duma lupa para vermos o que há muito se passa e a agora se comprova.

O segredo de justiça é outra invenção dos legisladores corruptos, que sob o pretexto da protecção da privacidade e do bom nome dos investigados os encobre. Se o segredo é necessário à investigação, para lá desse ponto é uma obstrução à justiça e encobre simultaneamente a corrupção política e a corrupção e incapacidade da justiça.

Os partidos estão cheios de corruptos e de ladrões. Para se ser um «bom» político é necessário aprender marketing político, ser trapaceiro, embusteiro, vigarista, burlão e quase sempre e na maioria dos casos um advogado falhado. Os partidos escolhem corruptos e justiçados e outros com culpas que eles conhecem, mas que colocam em lugares que poderão ser eleitos para cargos de alta responsabilidade: simplesmente, a corrupção dos governantes é fruto directo da corrupção que grassa pelos partidos.