26/09/2010

PROFISSÃO: Deputado...

Deve ser um idiota mas tem uma placa muito criativa! Será que passa recibo pelos “serviços” prestados? Não deve passar. Porque ou não sabe escrever ou a sua actividade não consta da lista das profissões Quando passar numa das principais artérias da cidade de Lamego, não vai precisar de muita atenção para esbarrar numa original placa. Não se trata de um escritório de advogado, ou um consultório médico, nem mesmo de um gabinete de contabilidade, mas sim da novíssima profissão liberal de, imagine lá... deputado!! A mediocridade não se enxerga mesmo! A ignorância e a perca da a noção do ridículo e a vergonha é no que dá!

Recebido por e-mail

@Fernando Marques
Pulseira Electrónica

11/09/2010

Onde Estão os Índios de Cuba?

Onde estão os índios de Cuba e das outras ilhas das Caraíbas? Quando o Colombo chegou às Caraíbas, antes de alcançar o continente, todas as ilhas, excepto as mais pequenas eram habitadas por populações indígenas, índios chamados Caraíbas. Onde estão eles? Para onde foram eles!?

A resposta é bem simples e sempre foi conhecida através dos séculos. Porque no-lo escondem agora os livros escolares e a corja jornaleira desinformadora, assim como os corruptos e ladrões dos políticos traidores?

Havia milénios que nessas paragens viviam populações formadas por "seres dóceis, de bons costumes e amáveis" de constituição física frágil, no dizer dum missionário sevilhano que viajou com o Colombo e assistiu à tragédia desses povos.

Foram todos assassinados ou mortos doutras maneiras pelos bárbaros castelhanos e nem um sobreviveu. Um dessas maneiras foi uma escravatura atroz em que os obrigaram a trabalhar nas minas até à morte. Quando os mataram a todos foram buscar pretos a África, de constituição mais forte, que suportavam melhor a escravidão e as torturas infligidas, que morriam menos, e compreenderam que precisavam deles para o trabalho escravo. Outra maneira, foram as invasões que faziam aos povos em que matavam os habitantes de vilas e aldeias inteiras. Neles praticaram também os mais hediondos e inconcebíveis actos de selvajaria.

Não restou um único índio das Caraíbas. A limpeza, que durou muito poucas décadas, foi radical e total.

Porém, a sua selvajaria não se limitou àquelas ilhas. Os maus fundos desse povo repetiram os mesmos actos em todo o lado onde esteve, espalhando a morte, a tortura e todos os actos resultantes dos instintos de malvadez característicos dessa raça selvagens. Se muitos dos povos dizimados conseguiram sobreviver à chacina e ao genocídio, isso deveu-se apenas a terem fugido (o que nas Caraíbas não foi possível por serem ilhas relativamente pequenas) ou serem em número elevado.

Veja-se o seguinte resumo publicado no site do autor (ficheiro PDF descarregável). Sobretudo, sigam-se os links ao fim. Mais importante ainda e esclarecedor é o relato dos acontecimentos por uma testemunha ocular, o missionário sevilhano que viajou com o Colombo e lá ficou até quase ao fim da sua vida. É um pequeno livro obrigatório por quem quer que se interesse pelo conhecimento da verdade.